Notícias Bolsistas integram pesquisa internacional sobre coronavírus
PANDEMIA

Bolsistas integram pesquisa internacional sobre coronavírus

Publicado: Quinta, 30 Julho 2020 14:20 , Última Atualização: Quinta, 13 Agosto 2020 19:28

Estudo que combina informações sobre a estrutura do vírus e a mobilidade humana foi publicado na revista Science

30072020 FOTO DENTRO MATERIA PESQUISA DISSEMINACAO CORONAVIRUS

Duas bolsistas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) participaram de estudo internacional sobre a disseminação do coronavírus no Brasil.  A pesquisa combinou dados do genoma do vírus — informações sobre a composição  de sua estrutura —e de mobilidade humana. Assim, identificou que o agente causador da COVID-19 chegou ao país entre 22 de fevereiro e 11 de março por mais de 100 locais diferentes, em cidades como São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG). A maior parte (76%) veio da Europa. A revista Science, referência mundial na comunidade acadêmica, publicou o artigo.

Os pesquisadores sequenciaram 427 genomas de amostras coletadas em 85 municípios das cinco regiões do país para analisar a epidemia no Brasil. A bolsista da CAPES Giúlia Ferreira, mestranda da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), ajudou nessa fase do projeto. Ela está desde março na Universidade de São Paulo (USP) para dar seguimento a uma pesquisa sobre dengue. Ela tem atuado em um laboratório do Instituto de Medicina Tropical (IMT), mesmo local do trabalho sobre o coronavírus. Como as atividades eram semelhantes, ajudou no estudo. “Mostrando como o vírus viajou e se alterou no Brasil, damos informações a outras linhas de pesquisa no combate à pandemia”, observa.

30072020 FOTO DENTRO MATERIA PESQUISA DISSEMINACAO CORONAVIRUS 03

O trabalho teve uma ramificação na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), onde foram sequenciados 66 dos 427 genomas. A bolsista Mariene Amorim, doutoranda do programa de pós-graduação em Genética e Biologia Molecular da instituição, participou. “Concluímos que o genoma deve ser associado à mobilidade das pessoas e que as medidas de isolamento adotadas não foram suficientes”, afirma. A publicação ajudará na sua própria pesquisa de doutorado, na qual analisa casos de Campinas e arredores para avaliar como as mutações do vírus estão relacionadas às gravidades dos casos.

O estudo teve origem no Centro de Genômica e Epidemiologia de Arbovírus, uma parceria entre as Universidades de São Paulo e de Oxford, na Inglaterra. O trabalho ganhou proporções maiores com o desenrolar da epidemia. Ao todo, participaram 78 pesquisadores, de mais de 15 instituições brasileiras e britânicas. “O trabalho de sequenciamento deve ser contínuo e tem sido feito em todo o mundo. Realizamos uma significativa contribuição sobre a situação em nosso país”, afirma Ester Sabino, professora do IMT e coordenadora do projeto.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu